FOTO POEMA

FOTO POEMA

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Confissão.

Eu escrevo
como quem grita de alegria
libertando-se das correntes da timidez.

Eu escrevo
como um riacho que recebe afluentes e transborda,
transforma-se em rio descendo o penhasco,
em cachoeira.
Derrama-se nas pedras e vales,
invadindo a vida.

Eu escrevo
apressada, aproveitando o romper da aurora,
a claridade do dia,
a tênue luz do ocaso,
temendo a longa noite que não terá amanhecer.


Luciene Freitas
Recife,04-07-1997.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Loading...

Seguidores

MANO EM: ESSE É DO BOM!

MANO EM: ESSE É DO BOM!
TEXTO E ARTE: THIAGO GUIMARÃES MANO CRIADO POR THIAGO GUIMARÃES

MANO EM: ESTAÇÃO DO AMOR

MANO EM:  ESTAÇÃO DO AMOR
Mano texto e arte Thiago Guimarães