FOTO POEMA

FOTO POEMA

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Um lamento...

DE QUE NOS VALE ESCREVER, COLOCAR A NOSSA ALMA NO PAPEL SE PRA ENTRAR
NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRA BASTA FAZER UM GOL DE LETRA!!! NO PAIS
DO FUTEBOL OS LIVROS FORAM CHUTADOS PELA BOLA. AMIGOS VEJAM A NOTICIA QUE ME DEIXOU INDIGNADA

Ronaldinho Gaúcho é mais chegado em pandeiro do que em livro. Mas no início da tarde desta segunda-feira, o camisa 10 do Flamengo esteve na Academia Brasileira de Letras (ABL), no Centro do Rio, para participar da homenagem pelos 110 anos de nascimento do escritor e torcedor rubro-negro José Lins do Rego. Tratado como 'Doutor Ronaldinho' na plaquinha que demarcava seu lugar na mesa, ele fugiu do rótulo.
- Doutor, não. Não... - brincou Ronaldinho, gargalhando, depois de o presidente da ABL, Marcos Vilaça, ter revelado o que estava escrito na placa.
- Ele é doutor do futebol - completou outro convidado da solenidade.
O jogador dispensou o terno. Ronaldinho apareceu na ABL de camisa social preta, calça jeans, a tradicional boina, brinco de brilhante, cordões, pulseiras e relógio de ouro. Vanderlei Luxemburgo, Patrícia Amorim e outros dirigentes do Flamengo estiveram presentes.
Ronaldinho e Vanderlei receberam a medalha Machado de Assis, a maior honraria da ABL. Patrícia Amorim foi agraciada com a medalha do ano comemorativo de Joaquim Nabuco.
- Fui o primeiro e único jogador a receber esta homenagem. Acho que isso aconteceu por eu estar no Flamengo na hora e no momento certos.
Ele foi premiado pela Academia Brasileira de Letras com a medalha Machado de Assis, maior honraria concedida a um membro ingressante na ABL.O jogador do Flamengo foi agraciado durante uma homenagem pelos 110 anos de nascimento do escritor José Lins do Rego, flamenguista assumido e fanático pelo clube.
 Nanda Gois

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Loading...

Seguidores

MANO EM: ESSE É DO BOM!

MANO EM: ESSE É DO BOM!
TEXTO E ARTE: THIAGO GUIMARÃES MANO CRIADO POR THIAGO GUIMARÃES

MANO EM: ESTAÇÃO DO AMOR

MANO EM:  ESTAÇÃO DO AMOR
Mano texto e arte Thiago Guimarães