FOTO POEMA

FOTO POEMA

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

PAVE CONTO- A NOITE DO LOBISOMEM

A noite do lobisomem
(um conto de terror levado a vocês por Thiago Guimarães)

Bonança
19h30min da noite

O delegado Borges recebeu um chamado urgente de uma pessoa era voz de mulher, estava desesperada e parecia chorar:- Preciso de ajuda, estou correndo perigo eu e minha família!-Mas a ligação foi cortada antes que ele pudesse anotar o endereço da chamada, não conseguira identificar a ligação pois a delegacia ainda estava precária após o incêndio que quase destruíra a cidade há alguns meses atrás, Borges ficou com aquilo na cabeça, coçou o bigode e ajeitou os óculos escuros, procurou todos os registros de ocorrência nas últimas horas e nada encontrara:- As vezes até o faro de detetive pode se enganar, não é inspetor?- Borges falou isso olhando para o retrato do seu mentor na polícia, o inspetor Carlos.
Encerrado o seu turno foi para casa, precisava descansar um pouco, mal sabia ele que a noite seria longa.
00h: 30min- Ouro-Azul
Borges ouviu o telefone tocar, já era tarde, o chamado foi da delegacia de Ouro-Azul cidade vizinha de Bonança: O que?! Estou indo agora pra ai! –
Pegou o carro e saiu eram mais ou menos meia-noite e cinqüenta quando o delegado chegou no local, era uma casa na divisa das duas cidades, a perícia já estava lá e o delegado Neves também:- O que houve por aqui Neves?- O delegado de Ouro-Azul era um tipo estranho, tinha cara de ressaca e diziam as boas e más línguas que ele secava um litro de cachaça num instante. Neves passou a mão nos lábios e disse:- Veja com seus próprios olhos, vamos, entre comigo!- Como dizia no interior à cena que Borges viu foi um “baita” de um massacre, cinco pessoas mortas de uma maneira horrível, os corpos estavam estraçalhados, as vísceras espalhadas pelo chão, havia uma mulher, um homem, duas crianças e um senhor que parecia ser idoso, mas sua cabeça estava fora do corpo, provavelmente no quintal:- Quem faria uma coisa dessas?- Nem posso imaginar quem, mas vou descobrir, se vou!- Borges a perícia descobriu vestígios de pelo em um dos corpos mas ainda não sabemos se é de algum animal!- Noite de lua cheia, uma chacina, sua mãe sempre lhe dizia que os lobisomens aparecem nessas noites de quinta pra sexta-feira santa:- Essa é uma daquelas noites, Neves preciso tomar um café bem forte acho que vamos virar a noite nesse caso!-
A casa foi revirada por dentro, os policiais não encontraram mais nenhuma evidência,Fora a bagunça, pois quem quer que cometeu os assassinatos teve um pouco de trabalho para pegar as vítimas, um dos policiais correu para avisar o delegado:- Chefe encontrei algo suspeito, o telefone estava fora do gancho, olhe!- Borges imediatamente se lembrou da ligação que recebeu na delegacia:- Chefe, pode ser a chamada que o senhor recebeu na delegacia, mas é estranho pois essas pessoas foram mortas depois da meia-noite!- Borges procurou pela casa descobriu fotos da família, eles se chamavam Barrington, um sobrenome inglês aliás muito comum nas famílias de Bonança, viu também o quadro na sala, a pintura era o retrato de uma senhora nobre com olhar de melancolia:- Gostou do retrato da baronesa Bórgia?- O delegado olhou pra trás e viu o rosto da investigadora novata, Vânia Motta:- Baronesa?!-Vânia era jovem, devia ter uns 25 anos mais ou menos, mas sabia de muita coisa para sua recente idade:- Sim,o retrato dessa nobre mulher é uma relíquia se for original, ainda mais sendo ela patrona da nossa cidade desde a época em que Bonança nem era Vila de Santa Clara, essas terras pertenciam a ela e ao Barão seu marido!- Claro que já ouvi falar dela, agora concentração no trabalho!- Sei!-
Borges correu para seu carro e ligou seu laptop, acessando a internet pesquisou tudo sobre a baronesa Bórgia:- Mas que interessante, a baronesa era louca e diz a lenda que se transformava em lobisomem nas noites de lua cheia, ou lobis-mulher, aposto que a ”sabe-tudo” não conhecia esse fato, mas que relação pode haver entre os Barrington e a baronesa?-
Voltou para a cena do crime, precisava de alguma pista, algo lhe faltava para descobrir o fio da meada, deduções não adiantavam neste momento, ele precisava de algo concreto, procurou pela casa toda e de repente sua intuição lhe disse que se alguém queria esconder algo poderia procurar no sótão:- Elementar meu caro Borges é pra lá que eu vou!-
No sótão o delegado encontrou várias recordações de família, entre elas fotos de um rapaz que não estava entre os mortos na sala, parecia ter uns 27 anos mais ou menos:_ “ Com amor Felipe Bórgia “- Espera aí!- O delegado continuou procurando nas caixas velhas e empoeiradas até encontrar um baú em que estava escrito:- “ Felipe Bórgia recordações de família”.
- Felipe Bórgia Barrington, descendente da tal baronesa, mas isso é muito óbvio, mas ainda não explica tudo, a não ser que eu passe a crer em seres como os lobisomens!- Neste momento ouviu-se um barulho no quintal da casa.
01h:40min:
O corpo de Vânia Motta estava embaixo de uma árvore no meio do quintal, estava um pouco desfigurada, mas nenhum membro faltava no corpo dela como nos outros na sala:- O assassino ainda está solto e por perto, pode estar nos espreitando agora mesmo!- Ou pode até mesmo ser um de nós!- Ao pronunciar essas palavras Borges fez com que todos ali ficassem desconfiados uns dos outros. Perto dali uma pessoa espreitava, foi Borges que viu um vulto, pegou sua colt 45 e saiu:-Acho que vi algo, me de cobertura Neves!- Mas o delegado não estava mais lá:- Já que estou sozinho nessa vamos lá!- O delegado pulou a cerca da casa e saiu correndo na rua, na esquina viu de novo a pessoa e atirou:- Merda!- Borges correu atrás dele, sua intuição dizia que se o encontrasse estaria diante do assassino, parou em frente ao cemitério da cidade, talvez o único local não prejudicado pelo incêndio:- Entrar naquele lugar perto do que eu já passei deve ser moleza!- Andando entre os túmulos o policial procurava minuciosamente algum vestígio do suspeito parado diate do túmulo de seu mentor o inspetor Carlos ele derramou uma lágrima, foi quando sentiu uma pontada forte na cabeça e não viu mais nada.

2h e 20min: Borges acordou e não sabia onde estava,viu que se encontrava num lugar escuro e abafado, estava ficando sem ar:- Meu Deus, se eu estava no cemitério!- Começou a cavar com as próprias mãos, batia na superfície de madeira, suas mãos sangravam mas ele insistia até que conseguiu quebrar a madeira:- Preciso sair daqui!-

2h e 45min- Cavando até quase a exaustão e ao mesmo tempo tentando segurar o pouco ar que lhe restava Borges conseguiu colocar a mão pra fora e quando saiu do cemitério ouviu um uivo agudo e correu pra onde veio o barulho:- Será que balas comuns matam essas criaturas?- Novamente avistou o vulto e desta vez seguiu-o com cautela, a lua ainda ia alta no céu quando Borges conseguiu encurralar a pessoa que estava seguindo:- Parado ou eu atiro!- A pessoa ergueu as mãos e se virou devagar para o delegado, era um rapaz jovem ainda aos poucos Borges reconheceu o jovem da foto:- Felipe Bórgia Barrington, está preso!- Enquanto o senhor está me prendendo o verdadeiro assassino continua a solta e não vai descansar enquanto não matar todos nesse lugar!- Borges abaixou o revólver e pegou o rapaz firme pelo braço:- Vamos companheiro!-
Quando o delegado chegou a cena do crime com Felipe , estavam todos trabalhando:- Finalmente Borges, ei, quem é o rapaz?- Felipe Bórgia Barrington, o outro filho do casal assassinado, o único sobrevivente da tragédia!- Neves olhou para ele e os outros também:- Então o caso tá resolvido!- Não é assim como vocês pensam, Felipe não é o assassino!- Então pode se explicar rapazinho?- Pois bem, como vocês sabem nossa família é descendente dos Bórgia e da baronesa louca que ajudou a fundar essa cidade, ela era insana e diziam as lendas que ela se transformava em lobo nas noites de lua cheia! -Certo, continue rapaz, o que isso tem a ver com as mortes?- Além das cinco pessoas e de mim, existem duas irmãs , minhas uma delas herdou a maldição da nossa ancestral e tornou-se lobisomen!- Neves balançou a cabeça e tirou o palito dos dentes:-Deixe de contar lorotas rapaz e diga-me logo que você matou seus pais e sua família porque é um viciado em drogas!- Borges olhou para Neves e para o rapaz:- Cala a boca delegado deixe que o rapaz termine a sua versão dos fatos, a baronesa realmente existiu!- Felipe respirou fundo e continuou:- Pois bem quando ela nasceu foi amaldiçoada, viveu anos presa no sótão só nas noites de lua cheia, mas nessa noite ela escapou, minha mãe tentou ligar pedindo ajuda, depois disso eles foram massacrados por ela!- E você quer que nós acreditemos nessa história absurda de lobisomen?-
Estavam dentro da casa, na sala, de repente as luzes se apagaram e quando se acenderam Felipe havia desaparecido:- Merda, Borges!-

3h 30min:- Neves disse isso e olhou para os lados, toda a equipe da pericia e dos seus homens:- Mortos!- Apenas Borges e Neves estavam vivos parados um do lado do outro, alguns mortos com tiro, outros corpos destroçados e com as vísceras de fora:- Mas que merda cara você deu confiança demais pras mentiras daquele moleque drogado!- Ouviram ao longe um uivo tenebroso, os dois policiais pegaram as armas e ficaram de costas um pro outro:- Acho que é hora de usar todo nosso conhecimento de policiais!- Vamos nos dividir, você vai pra lá Borges, eu pra cozinha!- Borges foi pra área de serviço, viu novamente a luz acabar:- alguém desligou a chave geral, vou chamar o Neves!- Mas quando estava saindo dali novamente aquele uivo agudo ressoou:- Seria?- correu para o lado de fora e viu a fera gigantesca sob a luz da lua:- Tenho uma coisa pra você!- Borges deu três tiros na criatura, tinha uma boa mira, um tiro pegou certeiro no bicho que caiu:- O que você fez maldito?- Borges olhou pra trás e viu a pessoa que menos esperava nessa hora:- Vânia?!- Vânia estava apontando uma arma para ele, estava despenteada e com um pouco de sangue no rosto:- Você chegou perto da verdade, aliás, você descobriu quase tudo, atirou no meu namorado, seu infeliz!- Bem que eu desconfiei, Felipe Bórgia era seu namorado e assassinou a família porque era um lobisomem, ele pediu sua ajuda por telefone e você chegou primeiro na cena do crime, mas não conseguiu apagar as evidências porque Neves estava por aqui com sua equipe,depois você forjou sua própria morte e quando estávamos interrogando Felipe você desligou as luzes para que ele pudesse fugir e antes matar todos por aqui, ufa! Acertei?-
Vânia estava boquiaberta com a conclusão do delegado e com ódio também:- Pois bem você descobriu tudo delegado, mas não vai viver pra contar a ninguém!-

4h59 min:- Borges estava amarrado no sótão com o delegado Neves ao seu lado:- Até quando vai continuar com isso?- Eu vou fugir está bem? Limparei os vestígios de que o lobisomem esteve por essas bandas e vou deixar vocês dois mortos!-
Enquanto o delegado ganhava tempo, Neves cortava a corda que o prendia com ajuda de um canivete:- Vamos logo com isso!- Neste momento Vânia apontava o revólver para o policial, mas Neves soltou-se e pulou em cima dela os dois se engalfinharam e arma disparou,Vânia levantou-se com o revólver na mão olhou para Borges e caiu no chão morta:- Não esqueci as lições da academia de polícia!- Borges riu:- Agora me solta daqui seu merda!-

5h30min:-Neves contatou reforços da capital e os corpos dos policiais da perícia foram recolhidos pelo rabecão, entre eles o corpo de Vânia Motta. Neves procurou Borges mas não o encontrou, o dia estava pra nascer e o delegado sumira.

6h00:- O sol começava a nascer nas montanhas ao longe da pequena Bonança, Borges estava perto do corpo sem vida do pobre Felipe Bórgia, o delegado estava com um caderno nas mãos:- Esse era o diário deFelipe, aqui ele escreveu sobre a sua doença ou maldição, sabe-se lá, também sobre a cura que um dos seus ancestrais, um médico havia criado em 1888!- Falando sozinho Borges?- Ele olhou para trás e viu o seu companheiro Neves que se aproximava:- Eu já sabia que era você, deve ter ouvido o que falei!-Claramente delegado,nunca acreditei nessas coisas, mas creio em você, por isso achei melhor omitir tudo isso, vamos levar o corpo e dizer, sei lá qualquer coisa, menos a verdade é absurdo demais até para nós!- Felipe Bórgia tinha uma aparência tranqüila agora, como dizia a lenda parecia que agora o lobisomem criatura atormentada havia finalmente encontrado a paz.

FIM
24.05.12

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Loading...

Seguidores

MANO EM: ESSE É DO BOM!

MANO EM: ESSE É DO BOM!
TEXTO E ARTE: THIAGO GUIMARÃES MANO CRIADO POR THIAGO GUIMARÃES

MANO EM: ESTAÇÃO DO AMOR

MANO EM:  ESTAÇÃO DO AMOR
Mano texto e arte Thiago Guimarães